Isabel Stillwell - Romances Históricos em Português no Kindle


Do editor:
Filipa de Lencastre morreu de peste negra, tal como a sua mãe, a 15 de Julho de 1415 com 55 anos. No dia 25 partiam de Lisboa 240 embarcações e um exército de 20 mil homens, entre os quais D. Duarte, o Infante D. Henrique e D. Pedro. A Praça de Ceuta caía cerca de um mês depois. D. Filipa não esperaria outra coisa dos seus filhos…

Mulher de uma fé inabalável, conhecida pela sua generosidade, empreendedora e determinada a mudar os usos e costumes de uma corte tão diferente da sua, Filipa de Lencastre deu à luz, aos 28 anos, o primeiro dos seus oito filhos. A chamada Ínclita Geração, que um dia, como ela, partiria em busca de novos mundos e mudaria para sempre os destinos da nação.

Frei John, o tutor, já tinha previsto o seu destino nas estrelas. Nasceu Philippa of Lancaster, filha primogénita de John of Gaunt, mas deixou para trás a sua querida Inglaterra para se casar com D. João I. A 11 de Fevereiro de 1387 o povo invadiu as ruas da cidade do Porto para aclamar carinhosamente D. Filipa de Lencastre, Rainha de Portugal.

Num romance baseado numa investigação histórica cuidada, Isabel Stilwell conta-nos a vida de uma das mais importantes rainhas de Portugal. Desde a sua infância em Inglaterra, onde conhecemos a corte do século XIV, à sua chegada de barco a Portugal onde somos levados numa vertigem de sentimentos e afectos, aventuras e intrigas.

Isabel Stilwell é jornalista e escritora. Atualmente é diretora do jornal Destak. Foi diretora da revista Notícias Magazine, e tem um longo percurso na imprensa escrita. Sempre se confessou apaixonada por romances históricos.

Depois do enorme sucesso do seu primeiro romance, Filipa de Lencastre, A rainha que mudou Portugal (25.ª edição), Isabel Stilwell consagrou-se como autora de romances históricos com o seu segundo livro Catarina de Bragança, A coragem de uma infanta portuguesa que se tornou rainha de Inglaterra (17.ª edição), com D. Amélia, A rainha exilada que deixou o coração em Portugal (12.ª edição) e com D. Maria II.





Do editor:
Com 23 anos a infanta Catarina de Bragança, filha de D. Luísa de Gusmão e de D. João IV, deixou para trás tudo o que lhe era querido e próximo para navegar rumo a uma vida nova.

No coração um misto de tristeza e alegria. Saudades da sua Lisboa, de Vila Viçosa, do cheiro a laranjas, dos seus irmãos que já haviam partido deste mundo e dos que ficavam em Portugal a lutar pelo poder. Mas os seus olhos escuros deixavam perceber o entusiasmo pelo casamento com o homem dos seus sonhos, Charles de Inglaterra, um príncipe encantado que Catarina amava perdidamente ainda antes de o conhecer.

Por ele sofreu num país do qual desconhecia a língua, os costumes e onde a sua religião era condenada. Assistiu às infidelidades do marido, ao nascimento dos seus filhos bastardos enquanto o seu ventre permanecia liso e seco, incapaz de gerar o tão desejado herdeiro. Catarina não conseguiu cumprir o único objectivo que, como mulher e rainha, lhe era exigido. Se ao menos não o amasse tanto!, pensava nas noites mais longas e tristes…

Depois do sucesso de Filipa de Lencastre, A rainha que mudou Portugal, Isabel Stilwell traz-nos um novo e apaixonante romance sobre a vida da única portuguesa que subiu ao trono de Inglaterra.

Pela sua mão, somos levados numa viagem pela corte portuguesa do século XVII, durante o conturbado período da Restauração e pelo reinado do controverso Charles II de Inglaterra. Ao longo destas páginas apaixonamo-nos, sofremos, rimos e choramos. Um romance no qual é fácil entrar e de onde é difícil sair. As personagens ficam para sempre connosco.






Uma rainha não foge, não vira costas ao seu país. D. Amélia de Orleães e Bragança era uma mulher marcada pela tragédia quando embarcou, em Outubro de 1910, rumo ao exílio. Essa palavra maldita que tinha marcado a sua família e a sua infância.

O povo acolheu-a com vivas quando chegou a Lisboa para se casar com D. Carlos. A princesa era uma mulher feliz. Mas cedo sentiu o peso da tragédia. O povo agora criticava os seus gestos, mesmo quando eram em prol dos mais desfavorecidos. O marido afastava-se do seu coração, descobriu-lhe traições e fraquezas e nem o amor dos seus dois filhos conseguiu mitigar a dor. Nos dias mais tristes passava os dedos pelo colar de pérolas que D. Carlos lhe oferecera, 661 pérolas, cada uma símbolo dos momentos felizes que teimava em não esquecer.

Isabel Stilwell, autora bestseller de romances históricos, traz-nos a história da última rainha de Portugal, que viveu durante 24 anos num país que amou como seu, apesar de nele ter deixado enterrados uma filha morta à nascença, D. Luís Filipe, herdeiro do trono, e o marido D. Carlos, assassinados em pleno Terreiro do Paço a tiro de carabina e pistola. De nada lhe valeu o ramo de rosas que tinha na mão e com o qual tentou afastar o assassino.

D. Amélia regressou em 1945 a convite de Salazar por quem tinha uma declarada admiração. Morreu seis anos depois no seu país natal, na cama que Columbano havia pintado para ela. Na cabeceira estavam desenhadas as armas dos Bragança.



Do editor:

Com apenas 7 anos Maria da Glória torna-se rainha de Portugal. Um país, do outro lado do oceano, que não conhecia. A sua infância foi vivida no Brasil, dias longos e quentes entre os morros verdes e as praias de areia branca, segura pelo amor da sua adorada mãe, Leopoldina da Áustria. A ensombrar esta felicidade apenas Domitília, a amante do imperador do Brasil e seu pai, D. Pedro IV de Portugal.

Em 1828 parte rumo a Viena para ser educada na corte dos avós. Para trás deixa a mãe sepultada, os seus queridos irmãos e a sua marquesa de Aguiar, amiga e protetora. Traída pelo seu tio D. Miguel, que se declara rei de Portugal, e a quem estava prometida em casamento, D. Maria acaba por desembarcar em Londres onde conhece Vitória, a herdeira da coroa de Inglaterra a quem ficará para sempre ligada por uma estreita relação de amizade.

Aos 14 anos, finda a guerra civil, D. Maria pisa pela primeira vez o solo do seu país. Prometeu a si mesma que seria uma boa rainha para aquela gente que a acolhia em festa e uma mulher feliz, mais feliz do que a sua querida mãe. Fracassada a união com o tio, agora exilado, casa-se com Augusto de Beauharnais, que um ano depois morre de difteria.

Teimosa e determinada, não desistia assim tão facilmente da sua felicidade e encontra-a junto de D. Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha, pai dos seus onze filhos.
Esta é a história de uma rainha que fez tudo pelo seu reino. Isabel Stilwell, autora bestseller de romances históricos em Portugal, leva-nos a um dos períodos mais conturbados da nossa História, tendo como pano de fundo as guerras entre liberais e absolutistas, para nos contar a vida desta rainha, mulher, mãe dedicada e política de pulso forte e coragem inabalável que durante dezanove anos comandou os destinos de Portugal.



Sem comentários:

Enviar um comentário