Grupo Leya publica livros para o Kindle

O principal grupo editorial português, o Grupo Leya, que é constituído por 17 editoras, começou em meados do corrente ano a publicar edições de autores portugueses para o Kindle.

É uma excelente notícia, há muito aguardada pelos proprietários de um Kindle, ou simplesmente pelos utilizadores da aplicação Kindle para iPad, iPhone, Android etc.

Assim, ao longo dos próximos dias irei aqui divulgar algumas das obras, de autores portugueses e estrangeiros contemporâneos agora disponíveis para o Kindle.

As edições são da Casa das Letras (que herdou o catálogo da Editorial Notícias) e os primeiros títulos que apresento são vários livros de Domingos Amaral. Clique nas capas ou nos nomes dos livros para os ver em detalhe.

"Lisboa, 1941. Um oásis de tranquilidade numa Europa fustigada pelos horrores da II Guerra Mundial. Os refugiados chegam aos milhares e Lisboa enche-se de milionários e actrizes, judeus e espiões. Portugal torna-se palco de uma guerra secreta que Salazar permite, mas vigia à distância. Jack Gil Mascarenhas, um espião luso-britânico, tem por missão desmantelar as redes de espionagem nazis que actuavam por todo o país, do Estoril ao cabo de São Vicente, de Alfama à Ericeira. Estas são as suas memórias, contadas 50 anos mais tarde. Recorda os tempos que viveu numa Lisboa cheia de sol, de luz, de sombras e de amores. Jack Gil relembra as mulheres que amou; o sumptuoso ambiente que se vivia no Hotel Aviz, onde espiões se cruzavam com embaixadores e reis; os sinistros membros da polícia política de Salazar ou mesmo os taxistas da cidade. Um mundo secreto e oculto, onde as coisas aconteciam "enquanto Salazar dormia", como dizia ironicamente Michael, o grande amigo de Jack, também ele um espião do MI6. Num país dividido, os homens tornam-se mais duros e as mulheres mais disponíveis. Fervem intrigas e boatos, numa guerra suja e sofisticada, que transforma Portugal e os que aqui viveram nos anos 40."







"Os Cavaleiros de São João Baptista" é um policial onde o crime se cruza com o amor, o sexo se mistura com a ganância e se descobrem segredos da História de Portugal e de uma relíquia antiga que todos pensam ter sido roubada."



Em 1975, no auge do Verão Quente, com Portugal à beira de uma guerra civil, Julieta é encontrada inanimada e cega, depois de cair pela escada, na sua casa de família na Arrábida. E, num dos quartos do primeiro andar, são descobertos, já mortos, o seu marido, Miguel, e a sua irmã, Madalena. Seminus e ambos atingidos com duas balas junto ao coração, as suas mortes levam o tribunal a condenar Julieta pelo duplo homicídio. Vinte e oito anos depois, em 2003, a cegueira traumática de Julieta desaparece e ela volta a ver. Começa também a recordar-se de muitos pormenores daquela tarde trágica em que aconteceu o crime, e em conjunto com Redonda, a sua bonita filha, e o narrador da história, vão tentar reconstituir e desvendar o terrível segredo da Arrábida, que destrui aquela família para sempre. Quem matou Miguel e Madalena e porquê? Será que eles eram mesmo amantes, como a polícia suspeitou? Será que Julieta descobriu a traição infiel do marido e da irmã? Ou será Álvaro, ex-marido de Madalena e um dos «Capitães de abril», o mandante daquele crime?


Amor à 1.ª Vista

«Ela era famosa, ela era conhecida, ela era bonita, ela tinha um corpo magnífico. Porque não aproveitar aquele momento em que podiam estar perto dela e vê-la? Vê-la ao vivo, não como nos outros dias, mas vê-la mesmo ali ao lado deles, a dançar, encostada ao balcão e falar com ele, ou mesmo a caminho de algum lado. A deslizar, como ele dizia que andava. Raquel era «alguém», era uma «personagem», uma menina que o país adorava ver, todas as Quartas-feiras à noite, depois da telenovela. A televisão faz isto às pessoas. Torna-as impossíveis, pensou ele. Impossíveis para os outros. Odiava ser namorado dele, pensou. Adorava ser namorado dela, pensou.» Críticas de imprensa «Amor à Primeira Vista compromete-nos a todos - os que lemos jornais, vemos concursos de televisão, assistimos ao jogo e à corrupção na vida política. À primeira vista, de facto, trata-se de um thriller - onde são visíveis os traços de Portugal contemporâneo apreciados e comentados por personagens que vivem ao nosso lado. Uma apresentadora de televisão (que o leitor até pode identificar...) é o primeiro sinal de que estamos diante de um chamado efeito real. Depois seguem-se jornalistas, ministros e até falsificadores negociantes de arte.» Filipa Melo, Ler



Sem comentários:

Enviar um comentário