Navegação gratuita no Kindle - Alguns sites portugueses

Um leitor perguntou-me, há algum tempo atrás, como era a navegação em sites portugueses como os do Record ou do Sapo.

A primeira resposta é que é um pouco lenta, mas a verdade é que é gratuita...
(Recordo que terão de alterar morada para Inglaterra, por exemplo, na página de gestão da conta Kindle).

Aqui vão alguns screenshots para ficarem com uma ideia melhor. A página do Sapo e do Record não são optimizadas para equipamentos móveis, são as páginas normais. Estes exemplos são do browser de um Kindle 2, a navegação, ou melhor o browser, parece ser ainda melhor no Kindle 3.

É ainda possível diminuir ou aumentar o tamanho da letra para ajustar melhor o texto à janela. Neste caso a letra estava no tamanho 3 de 8 possíveis.

Pode clicar sobre todas as imagens para as ver em maior detalhe.




Pesquisa pelo Record, no Google



Página do Record de 7 de Outubro


Página do Record de 7 de Outubro

Página do Sapo - 7 de Outubro

Sapo - 7 de Outubro



Sapo - 7 de Outubro

5 comentários:

Eduarda Abreu disse...

Alterei a minha morada para um endereço no Reino Unido, mas não me registei na amazon.co.uk. Recebi um mail da Amazon. Aparentemente, não posso fazer compras na amazon.com para o meu Kindle. É assim? Acha que não há de facto problemas em usar este "truque"? A verdade é que o browser do Kindle é muito incipiente...

Anónimo disse...

Para onde quer que lhe envie imagens destes sites mas vistos num Kindle 3?

José Bernardes disse...

Cara Eduarda,
Alterei a morada para o Reino Unido mas não me registei na Amazon UK, naquela tabela que surge no topo da página da Amazon.com sugerindo que o façamos. Na verdade, inicialmente registei morada dos EUA mas ao testar efectuar uma "compra" de um livro gratuito nos EUA (não disponível na Europa) recebi mail perguntando se estava mesmo nos EUA... entretanto alterei morada para PT e depois para UK e já comprei livros nessa loja sem que isso tenha dado origem a qualquer aviso por mail.
Quanto a eventuais problemas, não lhe posso responder com total propriedade... imagino que a Amazon possa retirar do nosso Kindle livros gratuitos que "adquirimos" em Portugal quando eles só estavam disponíveis gratuitamente para clientes do UK, por exemplo...
Mas imagine isto: um cliente inglês compra o Kindle e vem viver para o Algarve, não é "ficção científica" :-), neste caso o Kindle está em Portugal mas está registado como Reino Unido... e nesse caso tem 3G gratuito... Será "justo"?
On the other hand... Não li as "letras miudinhas" nem fiz análise jurídica detalhada do contrato de aquisição e utilização do Kindle, mas este deve indicar que devemos sempre indicar a morada correcta...
De qualquer forma, como diz, o browser é um pouco incipiente e para muitas pessoas que têm smartphones e/ou acesso em casa+escritório sem fios à web acaba por ser um recurso pouco utilizado. De qualquer forma é uma utilização gratuita.
Cumprimentos
José Bernardes

Eduarda Abreu disse...

Obrigada pela resposta tão pronta... que só vi agora.
O browser em si não tem qualquer interesse. Como tenho um iPod Touch, tenho net praticamente a toda a hora e em todos os sítios.
O que me parece de facto injusto é que, entretanto, reparei que alguns livros gratuitos que na .com não estão disponíveis para a Europa são gratuitos na .co.uk. Mais: alguns livros baratos na .com são grátis na .co.uk. Não percebo.

José Bernardes disse...

Cara Eduarda,
Tem toda a razão, pegou na pista que deixei na resposta :-) ... relativa aos livros grátis para clientes da Amazon uk.
Na verdade os livros que para nós (em Portugal) são "baratos" USD 2,30) na .com são gratuitos para os clientes dos EUA e, alguns desses são igualmente gratuitos para os clientes do RU (ou registados no RU). Eles não são gratuitos para os clientes fora dos EUA e do RU para a Amazon compensar os seus custos com o "roaming" que os seus clientes "consomem" quando acedem à loja no Kindle, ou à Wikipedia.
É que os Kindles que estão em PT, por exemplo, possuem um SIM card da AT&T para ligar às nossas redes móveis e cada vez que nos ligamos alguém paga essa troca de dados... Nos casos em que há "massa crítica" de utilizadores suficiente, como nos EUA ou, agora no RU, a Amazon permite o download de livros gratuitos, nos outros casos cobra um "prémio" sobre cada livro vendido, normalmente de 2,30 USD.
Com base neste raciocínio poderia contrapor-se outra ideia: então se a lógica é essa os downloads directos para o PC e a cópia via USB para o Kindle deveriam ser gratuitos porque não há acesso à rede 3G... A verdade é que não vivemos num mundo perfeito; talvez um dia destes as contas possam ser feitas desta forma, mas isso implica ajustamentos técnicos que talvez não sejam assim tão fáceis de implementar e uma alteração do modelo de negócio que, como referi, só é possível caso existam muitos clientes num mesmo território...

Enviar um comentário